W
NW
N
N
NE
W
the Degree Confluence Project
E
SW
S
S
SE
E

Brazil : Bahia

5.2 km (3.2 miles) NE of Fazendinha, Bahia, Brazil
Approx. altitude: 1288 m (4225 ft)
([?] maps: Google MapQuest Multimap world confnav)
Antipode: 13°N 138°E

Accuracy: 1.4 km (1503 yd)
Click on any of the images for the full-sized picture.

#2: Visada panorâmica Sul. Panoramic view to south from the closest point we reached. #3: GPS #4: Hamburger #5: Caminhos da região. Tracks in the region #6: Caminhos da Região. Tracks in the region #7: Cidade de Rio de Contas. Rio de Contas city

  { Main | Search | Countries | Information | Member Page | Random }

  13°S 42°W (incomplete) 

#1: Vista panorâmica Norte da confluência. Panoramic view to north from the closest point we reached.

(visited by Jair Sampaio Soares Jr and Laércio Guerra da Rocha)

English

16-Jan-2014 -- A confluência 13ºS 42ºW fica localizada entre as cidades de Piatã e Rio do Pires. Piatã é a mais alta cidade serrana de todo o Nordeste (1180 m de altitude) e a mais antiga povoação da Chapada Diamantina – BA. O nome Piatã vem do tupi – língua falada pelos povos que habitavam o litoral do Brasil no século XVI – e significa "pé firme" ou "a fortaleza".

A média da temperatura anual em Piatã nunca ultrapassa os 20ºC e o melhor período para visitar a região é durante o mês de junho, quando ocorrem as festas juninas que se caracterizam pela boa música, dança, comidas e bebidas típicas da região, além de um "friozinho" que pode chegar a 3 ou 4ºC.

A confluência fica próxima as serras do Santana e do Tromba (prolongamento da Serra da Mantiqueira) e próxima a nascente do Rio de Contas, um dos mais importantes rios da Bahia.

Existem muitas cachoeiras no entorno da confluência, entre as mais visitadas estão as cachoeiras do Patrício, do Cochó, do rio de Contas, da Malhada da Areia, o Encontro das Águas, os Gerais do rio de Contas e a Bica do Machado.

A investida para conquista desta confluência iniciou ao anoitecer, na cidade de Salvador, numa quinta-feira (15/01/2014). Sob o céu estrelado, montamos em nossas motos e seguimos para a cidade de Itaberaba onde fizemos uma rápida parada para abastecimento e, em seguida, fomos para Lençóis jantar o melhor hambúrguer da região. Saímos de Lençóis por volta das 22 horas em direção a cidade de Piatã para encontrar com um amigo.

No último trecho deste primeiro dia de viagem, enfrentamos chuva e temperaturas de 8 a 10ºC, o que é uma temperatura muito baixa pra quem está de motocicleta e sem roupas adequadas para enfrentar o frio. Esse foi o primeiro sinal de que não seria fácil... Após percorrer nessa noite, pouco mais de 600 km, chegamos na casa de nosso amigo Fafa, que nos esperava para pernoitar.

No dia seguinte (sexta-feira), após uma breve noite de sono, acordamos cedo e degustamos um ótimo café da manhã preparado por nosso amigo e excelente anfitrião. Chovia fraco, mas o suficiente para deixar as estradas de terra intransitáveis. Animados com a expedição, arrumamos nossas motos e seguimos em direção ao povoado de Inúbia, onde pegamos informações, nada encorajadoras, sobre os caminhos com os moradores.

De Inúbia percorremos 18 km até o povoado de Cachoeira, passamos pelos povoados de Juazeiro, Ibiajara e Fazendinha, sentido a Barragem de Paramirim, no município de Rio do Pires – BA.

Logo que deixamos Inúbia, a chuva ficou pra trás e as condições das estradas de terra melhoraram muito. Para acessar a confluência, tivemos que cruzar várias fazendas, percorrer por caminhos estreitos e trilhas não muito apropriadas para motocicletas pesadas como as nossas.

Vídeo mostrando parte do trajeto até a confluência: youtu.be/jdfvKvUfEf8

Alguns quilômetros após passar por um lugarejo chamado Fazendinha, chegamos a um ponto onde não foi mais possível prosseguir com as motocicletas. Decidimos estacionar ao lado de uma casa abandonada e seguimos a pé.

Confesso que praticar hiking com as roupas e os equipamentos de motocicleta não foi muito agradável e, como para acessar esta confluência é preciso subir uma serra, só é possível chegar até a confluência cruzando a mata caminhando ou de helicóptero!

A partir do ponto que estacionamos as motos, tivemos que enfrentar quase 4 km de subida íngreme, saltando pedras, cruzando rios, enfrentando insetos peçonhentos da região como marimbondos, formigas de fogo, abelhas, carrapatos, cupins etc. A subida se tornou mais íngreme e as botas apropriadas para motocicleta, por serem pouco flexíveis, não tem boa aderência no terreno pedregoso. As joelheiras da calça dificultavam flexionar a perna e o calor estava insuportável.

Diante de tantas dificuldades, decidimos retornar quando estávamos a pouco mais de 1 km da confluência. Não foi uma decisão fácil, porém acertada.

Costumamos dizer por aqui que “a confluência está lá” e quando a situação fica complicada é melhor abortar a investida e retornar mais preparado em outro momento. Foi o que fizemos.

Deixamos a confluência pra trás, retornamos para nossas motos e seguimos para Rio do Pires, região de pedras preciosas e belas paisagens.

Nossa aventura segue com a conquista da confluência 14°S 42°W.

English

16-Jan-2014 -- The confluence 13S 42W is located between the towns of Piatã and Rio do Pires. Piatã is the highest mountainous town throughout the Northeast (1180 m altitude) and the oldest town of Chapada Diamantina-BA. The name Piatã comes from tupi-language spoken by peoples who inhabited the coast of Brazil in the 16th century – and means "walk hard" or "the fortress".

The average annual temperature in Piatã never exceed 20ºc and the best time to visit the region during the month of June, when the June festivals which are characterized by good music, dance, food and drink typical of the region, in addition to a "chilly" that can reach 3 or 4°C.

The confluence is near the mountains of Santana and the Proboscis (prolongation of Serra da Mantiqueira) and near the headwaters of the Rio de Contas, one of the most important rivers of Bahia.

There are many waterfalls in the vicinity of the confluence, among the most visited are the waterfalls of the patrician, of Cochó, of the rio de Contas, the Malhada da Areia, Encontro das Águas, Gerais do rio de Contas and Bica do Machado.

The charge for this achievement Confluence began at dusk in the city of Salvador, on a Thursday (15/01/2014). Under the starry sky, we set up in our bikes and go to the town of Itaberaba, where we made a quick stop for refueling, and then we went to Lençóis to have the best burger dinner of the region. We left Lençóis around 10:00 pm towards the city of Piatã to meet a friend.

In the last stretch of this first day of travel, we face rain and temperatures of 8° to 10°C, which is a very low temperature for who's motorcycle and without appropriate clothing to face the cold. This was the first sign that wouldn't be easy... After scrolling through that night, just over 600 km, we arrived at the House of our friend Fafa, who was expecting us to stay overnight.

The next day (Friday), after a brief night of sleep, woke up early and do a great breakfast prepared by our friend and great host. It rained, but weak enough to let the dirt roads impassable. Excited about the expedition, packed up our bikes and headed toward the village of Inúbia, where we get information, nothing encouraging, on the paths with residents.

From Inúbia traveled 18 miles to the village of waterfall, we got through the villages of Juazeiro, Ibiajara and Fazendinha, towards the Paramirim dam, in the municipality of Rio do Pires-BA.

As soon as we leave Inúbia, the rain stayed behind and the conditions of the dirt roads have improved greatly. To access the confluence, we had to cross several farms, travel by narrow paths and trails not very suitable for heavy motorcycles such as ours.

Video showing the path to the confluence: youtu.be/jdfvKvUfEf8

A few kilometers after passing through a village named Fazendinha, we reached a point where it was no longer possible to continue with motorcycles. We decided to park next to an abandoned house and continued on foot.

I confess to practice hiking with the clothes and equipment of motorcycle wasn't very nice and how to access this confluence is necessary to climb a mountain, you can only reach the confluence crossing the woods hiking or by helicopter.

From that point we parked the bikes, we had to face nearly 4 km of steep climb, jumping rocks, crossing rivers, facing the region's venomous insects like Hornets, fire ants, bees, ticks, termites, etc. The ascent becae steeper and the boots suitable for motorcycle, for being inflexible, has good grip in the stony ground. The trouser knee pads made to Flex the leg and the heat was unbearable.

Faced with so many difficulties, we decided to return when we were little more than 1 km from the confluence. It wasn't an easy decision, but the right one.

We say around here that "the confluence is there" and when the situation gets complicated is better to abort the quest and return more prepared at another time. That's what we did.

Let the confluence back, return to our bikes and go to Rio do Pires, region of precious stones and beautiful landscapes.

Our adventure continues with the conquest of Confluence 14°S 42°W.


 All pictures
#1: Vista panorâmica Norte da confluência. Panoramic view to north from the closest point we reached.
#2: Visada panorâmica Sul. Panoramic view to south from the closest point we reached.
#3: GPS
#4: Hamburger
#5: Caminhos da região. Tracks in the region
#6: Caminhos da Região. Tracks in the region
#7: Cidade de Rio de Contas. Rio de Contas city
ALL: All pictures on one page (broadband access recommended)