W
NW
N
N
NE
W
the Degree Confluence Project
E
SW
S
S
SE
E

Brazil : Goiás

14.4 km (8.9 miles) E of Índio, Goiás, Brazil
Approx. altitude: 768 m (2519 ft)
([?] maps: Google MapQuest Multimap world confnav)
Antipode: 16°N 131°E

Accuracy: 1.3 km (1421 yd)
Click on any of the images for the full-sized picture.

#2: A view of soft face of high lands.

  { Main | Search | Countries | Information | Member Page | Random }

  16°S 49°W (visit #1) (incomplete) 

#1: Confluence is at lower left cornner; we started from carro (car), clockwise.

(visited by Marcos de Oliveira Cabral, Melissa Loei and Vilma Del Lama)

Portuguese

13-Apr-2001 -- Project Confluences -- Confluence S16° W49°. 1st Attempt

Narration and photos: Cabral
Translation: Estevão Campos de Paiva

April 13th, first halloween of the millenium and Good Friday, too. A good day to stay at home, for good meditations: a saturnine day. Although, we form the Walking Group, anxious about nature, had divided ourselves into groups and went to several places: Fercal, Caiapônia, Alto Paraíso, and... in order to look for confluences, too. From the ones who were eager to look for confluences (Deise, Melissa and I – Cabral), only Deise (maybe due to one of her dwarf’s premonition), ended up not going.

We went for Pirenópolis early in the morning. The confluence is located in that area. This is the last confluence near to our region, at parallel 16. We thought we would easily find the confluence and take some photographs. In addition, we expected even to have lunch at a great restaurant in Pirenóplis called “As Flor”.

When we arrived at Corumbá de Goiás, nearly before Pirenópolis, I got the GPS and the maps to check which way we must go to. There started a succession of unexpected things, and some lucky acts, too.

I had forgotten the GPS at home! 68.35mi away from this indispensable equipment. I called my sister, who was sleeping, and asked her to get the GPS and go to Pirenóplis, then we would meet her at the road. More than 40mi and we met her. GPS in hand, let's look for the confluence. This was the first lucky thing: even on a holiday, my sister was supposed to be at work.

Less than 6.2mi later, our Suzuki's accelerator cable broke. When I was trying to mend it with my shoestrings, a jeeper called Fábio stopped his car and fixed it. Our second unexpected and, at the same time, lucky thing. Everything working well; to the road again.

We had seen several jeeps, because the Jeep Club was organizing a trip at Pirenóplis. We have gone through a smaller road near the Gas Station. We were looking for a crossing point at the road, so that we could go nearer to the confluence. We had gone through some small roads until we arrived at an abandoned farm. We had let the car over there, then we started walking. It was 11:30AM.

As a warm up, we climbed a very steep hill. It was really hard, due to the slippery condition of the land. Although we arrived at the top. Another abandoned farm was seen. However, there were some cows there.

GPS was marking 2.42mi away from the confluence in a straight line. High mountains and dense vegetation was all around. The "ecological knife" was used again. Very difficult land, and always ending up in almost vertical rising of the hills. We had to walk in circles. It was terribly hot, and the water provides were almost finished. Melissa and I, who usually love to take some photos, did not get even one due to the lack of energy. Now that I am typing, I miss them so much.

When we were 0.8mi from the confluence, we decided to give up. Having asked the GPS for the car's position, I realized that it was inoperative. I had to reset it, losing all the points, configurations, trackings, etc... After that it could not locate the satellites anymore.

Looking back, there were many high mountains on the right, and a hill on the left. It seemed easy to contour all those mountains and get the way back. We had chosen to come back in a different way. It has been our worst trip. Vegetation was full of ups and downs, the wood was much higher than us, getting out our sense of direction. No more water, no more strength and no more hope.

Five endless hours, and we were still lost. The night had come, and a small emergency lamp illuminated the way that was being opened by ourselves. It was so difficult that we thought we would have to sleep in those hills. We were in a very hard situation.

At the distance, we could see some lights coming from the farms. Although the wood had covered it again. We were so thirsty, that we could not even talk to each other anymore. We could hear the barking of a dog. We followed in this direction. We had found a small road, then we walked a lot, until a small house was found. This small road has been our third lucky thing.

Looking for the owner of the house, we met Mr. Milton, who offered us water and indicated the way back. He had also told us about the danger of those mountains. He said it is full of snakes, and nobody uses to get there alone. We started walking. After some minutes, we had met Mr. Milton again, because he thought we would not arrive. In addition, he knew some shortcuts, in order to go faster. Mr. Milton has been, for sure, our fourth lucky thing.

At that point, I decided to check if the GPS was working again. Great! It was sintonizing four birds. As in a lucky action, I had written the coordinates of the car in a paper.

The car was not in the farm that Mr. Milton had thought it was. It was in another farm, which was nearer than the other.

He had led us there, then we got the car and the way back. After some mistakes, we ended up finding the highway and went to Brasília. I, who had been the first one to arrive at home, checked the time: almost midnight. As soon as our sufferings have eased, we will go back there and find this confluence. We surely will.

CONCLUSIONS:

  1. Never look down on a confluence! They seem to conspire when we do that.
  2. Go with a better structure. An external aerial GPS is a good suggestion.
  3. Know the right moment to give up.
  4. Never forget the lamps and, at least a good knife.
  5. Get a good quantity of water.
  6. Don't forget to have a salvation group.

Portuguese

13-Apr-2001 -- Confluência S16° W49°. - 1a tentativa

Texto e fotos: Marcos Cabral
Tradução: Estevão Campos de Paiva

13 de Abril, primeira sexta feira 13 do milênio, e ainda por cima, Sexta Feira da Paixão. Dia soturno, dia para ficar em casa, fazer reflexões, etc... Mas nós do Grupo de Caminhadas, inquietos por natureza, nos dividimos e fomos para os mais diversos destinos: Fercal, Caiapônia, Alto Paraíso, e ... caçar confluências também.

Dos que estavam dispostos a caçar confluência, Deise, Melissa, Vilma e Eu (Cabral), apenas a Deise (talvez por premonição dos duendes que a acompanham), acabou não indo.

Partimos de manhã cedo para Pirenópolis – GO pois a confluência é naquela região. A última confluência próxima de nossa região, no paralelo 16. Nossa expectativa era de encontrar facilmente a confluência, demarcar, fotografar e depois ir pegar aquele almoço delicioso do Restaurante As Flor em Pirenópolis.

Quando chegamos a Corumbá de Goiás, um pouco antes de Pirenópolis, resolvi pegar o GPS e os mapas para ver que direção tomar. Começava ali uma sucessão de imprevistos, e lances de sorte para compensar. Tinha esquecido o GPS em casa! 110Km nos separavam do indispensável aparelho. Liguei pelo celular para minha casa, e pedi para minha irmã (que estava dormindo) para pegar o GPS e rumar para Pirenópolis que nós a encontraríamos na estrada. Rodamos uns 65km até encontrar com ela na estrada. GPS na mão, então vamos correr atrás da confluência. Este foi nosso segundo lance de sorte, pois a princípio, mesmo no feriado minha irmã deveria estar trabalhando.

Mal tínhamos andado uns 10km, quando o cabo do acelerador do nosso jeep, um Suzuki, arrebentou. Estava tentando emendá-lo com um cadarço, quando parou um jipeiro chamado Fábio, que fez o reparo para nós. Este foi nosso segundo contratempo e também lance de sorte. Tudo funcionando, caímos na estrada.

Cruzamos por diversos jeeps , pois o JeepClube estava organizando uma passeio em Pirenópolis. Ao chegarmos no trevo de Pirenópolis, pegamos uma estrada de terra que passa junto ao posto de gasolina, e fomos por ela. Procurávamos um entroncamento com uma pequena estrada de roça, que levava até mais perto da confluência. Nos metemos em uma rede de estradinhas muito parecidas até chegar a uma fazenda abandonada. Deixamos o carro lá, e botamos o pé na lama. Eram 11:30hs.

Só de aquecimento, já subimos um morro super inclinado, com uma mata aberta e um riacho que formava pequenas cascatas. Subida dura, terreno escorregadio, mas chegamos ao topo. Descemos o morro e demos em outra casa de fazenda também abandonada, porém havia muitas cabeças de gado muito bem tratadas.

O GPS convicto, apontava a direção da confluência e uma distância de 3.9Km em linha reta. Em todas as direções só tinha morros altos e com vegetação densa. Saquei o meu “facão ecológico” e fomos abrindo picada. Terreno muito difícil, os morros sempre terminavam em encostas muito íngremes, quase verticais, e com mata densa, o que nos obrigava a dar voltas enormes. O calor terrível nos consumiu quase todas as provisões de água. O esforço era tamanho, que nem eu e nem a Melissa que adoramos fotografia tivemos ânimo para sacar a máquina e fazer algumas fotos ao longo do caminho. Agora que estou redigindo, sinto muita falta delas.

Estávamos a 1.3Km da confluência, e eram 16:00hs, quando resolvemos desistir... Fui dar um GoTo para a posição do carro, e o GPS congelou.... Ficou inoperante, e tive que dar um reset nele, perdendo todos os pontos, configurações, tracklog, etc... A partir daí ele não conseguia mais localizar os satélites.

Olhando a direção de volta, tínhamos muitos morros altos pela direita, de onde tínhamos vindo, e um pequeno morro pela esquerda, onde aparentemente ficava fácil contornar todos estes morros e retomar o caminho do outro lado. Escolhemos voltar por outro caminho.... Como se diz no Mato Grosso, “Foi nossa pior viagem!”

O relevo acidentado, um mato bem mais alto que nós, e muito fechado nos tirou a orientação, o resto da água, as forças, e até a esperança.

Horas sem fim (5 horas) abrindo picada de facão, e encontrando somente beiras de abismo para impedir o caminho. Anoiteceu.... Uma pequena lanterna de emergência iluminava o caminho que estávamos abrindo. Muito capim, cipó, espinhos, cada vez mais densos, nos faziam pensar que iríamos passar a noite naqueles morros. Lá estávamos nós, em um mato sem cachorro.

Ao longe, conseguimos ver luzes de algumas fazendas, mas logo o mato alto as ocultou. A sede fortíssima dificultava até a falar... A fraqueza pela desidratação reduzia nosso avanço. Depois, conseguíamos apenas ouvir o latido de um cachorro das mais próxima das fazendas. Abrimos uma picada nesta direção, não importando mais com os acidentes do relevo. Alguns passos tinham desnível, morro abaixo de até um metro. Acabamos encontrando uma estradinha feita para escoar madeira. Foi nossa salvação. Caminhamos bastante até esta estrada nos levar a uma casinha. Esta estrada, foi nosso terceiro lance de sorte.

Chamamos pelo dono, o Sr Milton, que nos ofereceu água e nos indicou o caminho (Uns 3km de caminhada). Ele também nos disse que aqueles morros são perigosíssimos. Disse que são cheios de cascavéis, e que ninguém por lá se aventura a andar sozinho por lá. Nos pusemos a caminhar.... Um pouco depois, o Sr. Milton nos alcançou, pois achava que não iríamos conseguir chegar lá, e além disso, ele conhecia uns atalhos para ir mais rápido. Sem dúvida, o Sr. Milton foi nosso quarto lance de sorte.

Neste ponto, resolvi ligar o GPS para ver se ele voltara a funcionar. Beleza, lá estava ele sintonizando 4 pássaros! Entrei com as coordenadas do carro, que eu em outro lance de sorte havia anotado em um papel. Que surpresa, o carro não estava na fazenda que o Sr. Milton supunha! Pelo rumo e pela distância, o Sr Milton já intuíra: Está na fazenda do Sr Joaquim Tobias. Sorte nossa, pois era mais perto que a outra.

Ele nos deixou lá, e pegamos o carro e fomos pegar o caminho de volta. Depois de alguns erros, acabamos achando a rodovia, e rumamos para Brasília. Eu que fui o primeiro a chegar em casa, tinha o relógio assinalando quase meia noite.

Depois de passadas as dores musculares, os sinais de desidratação, com certeza vamos voltar lá e demarcar esta confluência. É questão de honra.

Conclusões:

  1. Jamais fazer pouco de uma confluência! Elas parecem conspirar quando fazemos isso.
  2. Ir com uma estrutura maior, e de preferência com um GPS que tenha antena externa.
  3. Saber a hora de desistir
  4. Nunca esquecer de levar as lanternas e pelo menos um bom facão
  5. Levar muita água
  6. Não esquecer de deixar um esquema de resgate


 All pictures
#1: Confluence is at lower left cornner; we started from carro (car), clockwise.
#2: A view of soft face of high lands.
ALL: All pictures on one page (broadband access recommended)